Friboi ajudou 162 deputados, o único que recusou o dinheiro foi Jair Bolsonaro

A empresa JBS entrou no alvo das ações da Polícia Federal.
A JBS investiu R$ 361 milhões nas eleições de 2014, valor equivalente à soma das contribuições oficiais das cinco maiores empreiteiras pegas no Petrolão da Lava Jato. Do total, R$ 115 milhões da JBS foram para o PT, R$ 61 milhões para o PMDB e R$ 56 milhões para o PSDB.

A gigante da carne contribuiu para 162 deputados. Em fevereiro, a CPI do BNDES, que detém 27% do capital do frigorífico, terminou sem que este fosse sequer ouvido. Dos 27 membros da CPI, 20 haviam sido apoiados pela empresa — cuja holding Meirelles presidiu até virar ministro da Fazenda de Michel Temer.
O único deputado que se recusou a receber dinheiro da JBS foi Jair Bolsonaro, que na época era do PP. O Partido chegou a depositar R$ 200 mil na conta do deputado, mas ele devolveu tudo quando soube a origem da contribuição.

NOTA DE BOLSONARO NAS REDES SOCIAIS

Na campanha eleitoral de 2014, o Partido Progressista, deliberadamente e sem meu consentimento, depositou o valor de R$ 200.00,00 em minha conta eleitoral, a título de repasse de doação feita pela JBS – S/A (Friboi) ao Diretório Nacional.

Ao identificar o Doador Originário, de imediato oficiei ao Partido e fiz a devolução integral do valor informando que não aceitaria qualquer doação de empresas privadas.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();