Moro condena Palocci a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro

juiz federal Sérgio Moro – responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância – condenou o ex-ministro Antonio Palocci as 12 anos e 2 meses de reclusão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
A sentença é desta segunda-feira (26).

Reús
Além de Palocci, o ex-assessor dele, Branislav Kontic, o empresário Marcelo Odebrecht e outros 11 eram réus nesta ação penal. Eles respondiam por crimes como corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
O processo
O processo apurava se Palocci recebeu propina para atuar em favor do Grupo Odebrecht, entre 2006 e 2013, interferindo em decisões tomadas pelo governo federal.
Palocci é acusado de intermediar propinas pagas pela Odebrecht ao Partido dos Trabalhadores (PT). Ex-executivos da empreiteira afirmaram que o codinome "Italiano", que aparece em uma planilha ao lado de valores, fazia referência a Palocci. Ele nega ser o "Italiano".

O ex-ministro foi preso na 35ª fase da operação, batizada de Omertà e deflagrada no dia 26 de setembro de 2016. Atualmente, está detido no Paraná. Palocci foi denunciado uma vez por corrupção passiva e 19 vezes por lavagem de dinheiro.

Veja a lista completa dos réus e dos crimes:

•          Antonio Palocci - corrupção passiva e lavagem de dinheiro;
•          Branislav Kontic - corrupção passiva e lavagem de dinheiro;
•          Marcelo Odebrecht - corrupção ativa e lavagem de dinheiro;
•          Fernando Migliaccio da Silva - lavagem de dinheiro;
•          Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho - lavagem de dinheiro;
•          Luiz Eduardo da Rocha - lavagem de dinheiro;
•          Olivio Rodrigues Junior - lavagem de dinheiro;
•          Marcelo Rodrigues - lavagem de dinheiro;
•          Mônica Moura - lavagem de dinheiro e corrupção passiva;
•          João Santana - lavagem de dinheiro e corrupção passiva;
•          João Vaccari Neto - corrupção passiva;
•          João Ferraz - corrupção passiva;
•          Eduardo Musa - corrupção passiva;
•          Renato Duque - corrupção passiva.

Alegações finais
Nas alegações finais, a defesa de Palocci apontou inconsistências nas delações de ex-executivos da Odebrecht e pediu a absolvição do ex-ministro.

Já o MPF reforçou, nas alegações finais, o pedido de condenação de Palocci e dos outros réus.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();