Traficante gasta R$ 200 mil e constrói motel em penitenciária com 112 suítes para alugar a detentos para visita íntima

Um traficante preso em Goiás gastou cerca de R$ 200 mil na construção de 112 quitinetes na Penitenciária Odenir Guimarães (POG), no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Todas as unidades foram construídas em menos de 20 dias e estavam em fase final de acabamento quando foram descobertas.
As suítes seriam usadas para visitas íntimas de presos. O presidiário Thiago César de Souza, de 32 anos, esperava faturar cerca de R$ 120 mil por mês com o “aluguel” dos imóveis. Segundo os investigadores, Thiago desembolsou R$ 120 mil para a compra de material de construção e outros R$ 70 mil para o pagamento de propina a Marcos Vinícius Alves até então diretor da unidade que foi afastado do cargo.
A Lei de Execuções Penais garante ao preso um local para encontros íntimos em dia determinado pela direção da unidade prisional. Pela legislação em vigor, é necessário que haja um desses locais para cada grupo de 100 presos. Todas essas exigências era cumprida no presídio de Aparecida de Goiânia. 
No ano passado, na ala onde foi construído o motel havia quase 400 presos. Na mesma unidade, de 12 a 20 suítes de alvenaria estavam disponíveis para as visitas íntimas.
A construção ilegal foi descoberta por equipes de inteligência da Superintendência de Administração Penitenciária (Seap) que denunciaram o caso ao comando do órgão. A Seap determinou, então, a destruição do motel que foi feito dentro do presídio.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();