Polícia assume escola em área tomada por violência na Capital e impõe rotina militar

Os muros da Escola Estadual Professor Fricke Waldocke de Lyra foram Pintados de azul e branco, na zona oeste da capital amazonense, em nada lembram as pichações que anteriormente estava  estampando as paredes do colégio. Os alunos só iam para o recreio com a mochila nas costas, com muito medo de serem furtados ou roubados pelos próprios colegas de classe. 


Em todos os banheiros, os vasos eram entupidos com o descarte das carteiras de dinheiro roubadas e furtadas. Tinha brigas constantes no pátio, faca que são armas brancas circulando com os alunos  e uso de entorpecentes completavam a rotina da escola.

A violência que sempre esteve presente no bairro Tarumã, fruto de invasões e classificado hoje em dia como uma “área vermelha” de Manaus por causa dos altos índices de criminalidade, havia ultrapassado os muros da escola.No ano de 2012, a pedido do governo estadual, a Polícia Militar assumiu o comando da escola, que hoje se chama 3° Colégio Militar da PM Professor Fricke Waldocke de Lyra, que beneficia cerca de 2 mil alunos dos ensinos  médio e fundamental.
Atualmente, ao passarem pelos policiais militares armados que exercem a função de inspetores nos corredores, os alunos endireitam a coluna e batem continência. Essa é a rotina nos rígidos moldes militares que inclui gritos de guerra antes de iniciar as aulas, além de distribuir  distintivos e de patentes para os alunos que tem notas de destaque. 

Indisciplinas reiteradas levam à expulsão do aluno. Apenas nos 5 primeiros meses do ano de  2015, cinco alunos foram expulsos por não se adequarem. O corpo docente também mudou, e a grande maioria dos professores antigos saiu do colégio.


— Sei que há uma corrente na educação eu resiste  a esse modelo, mas tenho certeza que, para o nosso público, vindo de uma desestrutura familiar e carência social muito grande, ele faz a diferença — falou o coronel.
Do ano de 2011 ao ano de 2013, o colégio deu um salto no Ideb. Nos anos iniciais do ensino fundamental, a média passou de 3,3 para 6,1. Nos finais, foi de de 3,1 para 5,8. O índice (tabela)de reprovação, de 15,2%  no ano de  2012, foi zerado no ano passado.


O avanço no desempenho apareceu igualmente nas Olimpíadas de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). Jennyfer Veloso da Silva, de 16 anos, ganhou o bronze e uma menção honrosa na disputa. A garota foi aprovada em primeiro lugar no vestibular da (UEA), onde iniciou a cursar matemática este ano.

4 comentários:

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();